segunda-feira, 5 de junho de 2017

CREEPYPASTA: MEU VIZINHO É UM YOUTUBER



O meu vizinho é uma daquelas personalidades toscas do Youtube. Ao longo dos anos, eu o vi cuspir canela, se jogar de um capô de carro, e tomar banho de Nutella enquanto grita meta de likes, trollagem épica, ou foda-se, só quero ganhar adsense. Pode ser cansativo observá-lo ir cada vez mais baixo na busca por sua fama viral. Então, quando ele bateu na minha porta no outro dia, me disse que ia ficar fora por algumas semanas, e pediu que eu recolhesse suas correspondências, honestamente, eu senti um alívio. Eu não posso explicar a paz de espírito que eu tive ao saber que eu não tinha que me preparar para mais alguma estupidez da parte dele. Sempre tive medo de que suas acrobacias acabassem me causando problemas.

As coisas eram bastante normais nos primeiros dias. Ele recebeu algumas contas, um pouco de spam, e o que eu poderia supor que fosse um cartão de aniversário. Então, uma noite, cheguei em casa para encontrar uma caixa de papelão esperando na sua varanda da frente. Em letras vermelhas grandes estava escrito "Devolver ao remetente".

Eu não sou nenhum cara pequeno, mas eu admito que tive problemas para levantar a caixa sozinho. Estava realmente muito pesada. Carregá-la pela rua até a minha casa foi ainda mais difícil, e rapidamente percebi que não havia como arrastá-la pelas escadas e pela minha porta da frente. Eu decidi que deixaria o pacote na minha garagem. Não era como se eu guardasse meu carro lá: a porta da garagem era uma merda que se recusava a abrir sem um bom bandido e um pé de cabra. Era um problema menor deixar o carro no caminho de entrada do que lutar com a porta da garagem todas as manhãs e à noite. Em retrospectiva, eu deveria ter arrumado o pacote enquanto eu lutava para abrir a porta complicada, mas você sabe como é quando você encontra uma boa forma de segurar algo pesado não faz sentido você colocar no chão de novo.

Foi quando chutei a porta pela terceira vez que perdi meu controle e o pacote caiu no chão. Ouvi um leve barulho de algo quebrando lá dentro.

"Merda", eu amaldiçoei.

Eu esperava que não tivesse quebrado nada de importante, mas achei que eu simplesmente não diria ao meu vizinho sobre isso e deixá-lo acreditar que os correios tinham quebrado durante o transporte.

Com as mãos livres, finalmente consegui abrir a porta da garagem, e cara, aquela coisa fazia um barulho enquanto se enrolava sobre mim. Arrastei a caixa no restante do caminho, colocando-a na esquina para ficasse mais fácil assim que meu vizinho voltasse pra busca-la. E então, eu esqueci tudo sobre isso. Até que alguns dias se passaram.

Não tenho certeza de quanto tempo demorou para que o cheiro entrasse na minha casa pela fenda sob a porta da garagem, mas entrou bem devagar. Era um odor doentio e doce semelhante a um gambá, e durante os primeiros dias depois que eu cheirava, eu percebi o que era exatamente: um animal morto tinha deixado sua marca na minha casa. Foi só quando percebi que o perfume estava crescendo mais intenso em vez de desaparecer que fui procurar uma fonte. Foi quando eu abri a porta da garagem e foi quando o odor me derrubou enquanto eu segurava meu nariz.

O culpado não era difícil de identificar. A única mudança na minha garagem foi a caixa na esquina. Lembro-me de pensar que deve ter sido uma dessas caixas de que o açougue deixa na sua porta todo mês. A carne deve ter ficado podre de ser deixada fora da geladeira por tanto tempo. Quanta carne poderia estar lá para a caixa ter sido tão grande e pesada? Uma vaca inteira?

Cobri meu nariz quando me aproximei da caixa, um par de tesouras em minhas mãos. Eu provavelmente não precisaria deles para abri-lo, já que se tornara encharcada no fundo e dava pra rasgar com um dedo, mas eu não ia mesmo enfiar meu dedo em sucos de carne podre. Esse fundo encharcado foi o motivo pelo qual eu tive que abrir a caixa em primeiro lugar. Se eu tentasse arrastá-lo para fora, tudo derramaria no chão. Eu teria que despejar os pedaços de carne de um saco de lixo de cada vez, e levá-los pra fora, um processo qual eu não estava ansioso.

Minha tesoura rasgou a fita ao longo da parte superior da caixa de papelão. Eu pensei que o cheiro não conseguisse piorar, mas quando abri as abas, descobri uma nova gama de fedores. Era como abrir um forno queimado, mas em vez de uma onda de calor, me encontraram com ondas de urina, suor, merda e putrefação. Foi tão ruim que eu cambaleei de volta e tive que forçar o vomito implorando para me expulsar. Eu não acho que eu poderia ter tratado esse cheiro misturado com os horrores saindo da caixa. Eu não tenho vergonha de admitir que eu corri para a porta para um sopro de ar fresco, mas no curto período de tempo que eu passava na garagem, o cheiro tinha ficado tão arraigado no tecido da minha roupa que colava em mim como uma sombra.

Nada de que tentei poderia manter o cheiro longe das nas narinas. Não deu certo com os purificadores de ar, nem uma máscara facial, nem três banhos e uma mudança de roupa. Cada segundo que a caixa estava aberta na minha garagem era outro segundo do cheiro sendo permitido na minha casa. Eu tinha que fazer a coisa certa.

Voltei para a garagem, as abas da caixa ainda estavam abertas como se me convidassem a olhar. Eu estava preparado, um pedaço de papel fechando minhas narinas, um saco de lixo em uma mão, o limpador mais forte que eu consegui encontrar na outra e longas luvas de borracha para evitar que minha pele tivesse que tocar o que estava dentro. Mas, na verdade, não precisava de nada disso.

Eu não teria que tocar ou limpar o conteúdo dessa caixa, eu só teria que sofrer os pesadelos todas as noites. Você vê, havia carne nessa caixa, mas não veio de uma vaca ou de um porco. Não, foi pior do que isso. Era meu vizinho. Morto. Ainda inteiro, mas morto.

Liguei para a policiai e, naturalmente, me levaram para interrogatório. É meio difícil não suspeitar do homem com um cadáver em sua garagem, afinal. Felizmente, eles logo perceberam que eu não estava envolvido. O meu DNA poderia estar por toda essa caixa, o cheiro poderia ter deixado uma marca em toda a minha casa, mas havia uma peça de evidência irrefutável nas mãos do meu vizinho que provou minha inocência: uma câmera de vlog.

Eles me mostraram a filmagem apenas uma vez. Não tenho certeza se eles foram autorizados, ou se eles se sentiram mal por mim e acharam que não custava nada. De qualquer maneira, eu vi.

Meu vizinho estava sentado na caixa fora de uma fábrica de remessa, rindo enquanto dizia ao mundo como ele iria se enviar pelo correio dentro de uma caixa. Ele trouxe garrafas pra poder fazer xixi, comida, um travesseiro e algumas lanternas. Seu amigo - um cara que eu vira por sua casa várias vezes para ajudar com suas acrobacias -, fechou a tampa e presumivelmente o deixou para embarcar. Ao longo das próximas horas... ou dias, sinceramente, não tenho certeza, meu vizinho gravou alguns pequenos clipes sobre seu progresso. "Eu acho que estou em um caminhão agora, eu posso sentir isso em movimento", "Deve estar em um armazém. Muito quente aqui. Ainda tenho muita comida! ", Esse tipo de coisa. E então, na última entrada, a caixa caiu. Ele quebrou o pescoço, e foi isso. A câmera gravou até que o cartão de memória ficasse cheio demais ou a bateria morreu, eu não sei.

Há uma coisa que eu não disse à polícia depois que eles me mostraram o vídeo. Uma coisa que eu ouvi na filmagem que me perseguirá até o dia em que eu morrer. Logo após a queda que quebrou o pescoço, ouvi o som estridente da minha porta da garagem.


Autor.


Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Comente. É de graça e ajuda o moderador a criar conteúdo de qualidade para você. Todo mundo sai ganhando.