sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

O Reality Show Mais Bizarro de Todos os Tempos

Se você acha que já viu de tudo se prepare. Nossos amigos japoneses fazem de tudo para mostrar que são um povo a frente de seu tempo, talvez até mesmo a frente de seu planeta. Japoneses não são humanos. São uma espécie além.

Conheça Susunu! Denpa Shonen, o reality show mais bizarro de todos os tempos. Apenas assista o vídeo e tire suas próprias conclusões.


terça-feira, 13 de janeiro de 2015

O DIA EM QUE EU PERDI UM PEDAÇO DO DEDO

O blog anda meio abandonado porque estive bastante ocupado com o canal. Agora no início do ano vou ter que dar uma pausa forçada em ambos para ficar de repouso devido a um pequeno acidente que tive.

Para curtir essas férias decidi ir até a casa de uns primos em Minas Gerais. Lá passei um ótimo domingo regado a bastante churrasco e banhos de piscina. Ah sim, a piscina... Foi nela que tive a melhor parte do dia e uma das piores partes da vida.

O que aconteceu foi que havia duas piscinas (uma média e uma grande) com uma divisória entre elas. Divisória essa que possuía um pequeno buraco para que a água transitasse de uma piscina a outra. Lá estava eu a me divertir em uma piscina funda o suficiente para me afogar (antes fosse isso que tivesse acontecido, teria dado menos trabalho), então eu transitava de uma lado a outro pulando esta divisória. Talvez se eu tivesse percebido que o buraco ao qual me referia antes tinha um pedaço de cano de aço inoxidável solto isso não tivesse acontecido.


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

PRECISO CORRER

O peito bombeava adrenalina para que o coração e os pulmões funcionassem mais rápido – o efeito era o oposto: o oxigênio descia com dificuldade e o coração fazia as veias congestionarem com a velocidade em que o sangue era bombeado. Eu não arriscava olhar para trás fazia mais de meia hora. Lembro-me apenas de correr e correr sem me preocupar com destino. Apenas queria estar longe. Queria sair da prisão que eram aqueles gigantescos troncos marrons-acinzentado que me cercavam. As folhas amarelas no chão se quebravam ao receber meus passos furiosos. Eu não sentia mais seu bafo quente, tampouco o som que fazia ao cortar o ar atrás de mim.

Enquanto corro pergunto a mim mesmo se eles estavam realmente mortos. Eu não tive tempo de conferir. Lembro apenas dos corpos jazendo em poças de sangue que caminhavam lentamente em direção a fogueira apagada. Nossas barracas estavam destruídas e as roupas espalhadas por todo canto. Talvez eu tenha alucinado, mas eu tenho quase certeza deter ouvido Mariana gritar meu nome. Ela deve ter pedido minha ajuda, deitada, imóvel, assustada com aquela coisa pairando centímetros acima dela esperando o momento certo para devorá-la. Eu espero que tenha sido uma alucinação. Pelo bem da minha sanidade, tem que ter sido uma alucinação.

Mesmo que eu não a veja, aquela coisa que o guia – o mesmo que nos indicou esta maldita trilha – chamava de Boitatá deve estar a poucos metros de me alcançar. Com seus olhos esbugalhados e ardendo em chamas amarelas, com sua cauda abrasadora preste a me consumir. Que esteja. Por enquanto eu só preciso correr. Correr sem parar.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Post Scriptum:
Este conto foi escrito para um projeto pessoal de escrita criativa. Em suma, alguém me estipulou um tema e/ou um prazo. A ideia é escrever sem pensar; sentar na frente do computador e deixar a história se escrever sozinha.
Este conto foi escrito em 30 minutos e o temas era mitologia brasileira.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Um dos vídeos mais assustadores de 2014

Não me pergunte o que está acontecendo. Só sei que esse muçumano encontrou uma velha corcunda demoníaca e eu consegui sentir o cagaço dele daqui.

sábado, 29 de novembro de 2014

Algumas coisas que você não sabia sobre Chaves


O dia 28 de Novembro de 2014 ficará marcado como o dia em que perdemos nosso pequeno Shakespeare. Chespirito (alcunha de Roberto Gomes Bolaños) faleceu as 14:30 deste fatídico dia. O mexicano ficou conhecido em todo o mundo por seus personagens carismáticos como o ranzinza doutor Chapatim, o malandro ladrão Chompiras, o super-herói desajeitado Chapolin e claro, o moleque Chaves.

O personagem é uma criança de oito anos, órfã e que mora em um cortiço com outros personagens tão irreverentes quanto (quem não lembra do bochechudo Quico, das desculpas do Seu Madruga para não trabalhar ou do romance cafona de Dona Florinda e Professor Jirafales). É inegável o amor que a série recebeu dos brasileiros. Em nenhum outro lugar do mundo o fanatismo com os personagens mexicanos se estende tão longe.

E porque estou comentando tudo isso? Porque nesse post eu vou te contar algumas coisas sobre a história do Chaves que talvez você não saiba. Não, eu não vou contar a teoria dos sete pecados capitais, e nem aquela de que a vila é o Inferno. Tudo nesse post é baseado em fatos.

Em 2006, Chespirito escreveu um livro intitulado "O Diário do Chaves". Em uma metalinguagem, digna de um autor como ele, o próprio Bolaños narra que entrou em um ônibus e foi abordado por um garoto. Esse menino de roupa remendada pede gentilmente para engraxar os seus sapatos. Após o término do serviço o garoto vai embora esquecendo um pobre caderninho para trás.

Essa cena aconteceu de fato. Chespirito revelou que teve a ideia para o personagem por causa de um menino de rua que engraxou seus sapatos certa vez. Bem, o garoto de verdade não esqueceu um diário, mas essa foi a forma que o autor encontrou de dar maior voz ao menino.


Chaves sempre lidou com temas de extrema importância social e com um humor leve conseguia fazer críticas sensacionais. Como em uma cena em que Professor Jirafales, Dona Florinda e Quico discutem como as crianças no mundo estão passando fome... Enquanto comem um prato inteiro de biscoitos sem oferecer nenhum ao pobre Chaves. Ou no episódio do aniversário do Quico em que vemos como Dona Florinda e seu filho (os "ricos") são mesquinhos e egoístas, enquanto Chaves divide a pouca comida que tem com Seu Madruga (que por sua vez divide com o menino um pequeno refresco).

Em resumo: apesar de ser uma série de comédia, deu para perceber que ela tem alguns momentos dramáticos. Chaves é um menino órfão que passa fome todos os dias e mau tem um lugar para morar, sendo condicionado a um barril (será?). No livro que eu citei mais acima, existem alguns fatos sobre o menino de gorro verde e roupa remendada que com certeza não poderiam entrar na série. Vamos a eles:

Aqui embaixo está CHEIO de spoilers. Eu vou contar praticamente tudo sobre o livro. Se não quiser ver os spoilers, pula direto pro final do post onde tem os links caso você queira comprar. Já adianto que vou ferir sua infância. Siga por sua conta e risco.