sábado, 3 de junho de 2017

CREEPYPASTA: VOCÊ NÃO PODE DESFAZER OS SEUS PECADOS



“Animal!”

“Monstro!”

“Assassino de bebês!”

Vozes irritadas encheram a sala do tribunal, afogando o testemunho do homem sentado. Não que seus gritos fossem diferentes. Ele não estava lá, é claro, não tinha visto acontecer ele mesmo. Mas eu estava sozinho. Eu era diferente. Eu era outro. Os corpos foram encontrados na floresta, e eu morava perto da floresta. Eu era um sozinho, não um amigo.

Os homens da aldeia estavam dispostos em um meio círculo em torno de mim, me encurralando como se para me impedir de sair da mesa antes de meu julgamento. Não que eu pudesse fugir. Eles tinham arrancado minhas pernas para me ensinar uma lição: "Você não pode fugir de seus pecados."

Eles não tinham esperado muito tempo para me ensinar isso. Quando os caçadores encontraram os corpos desfigurados, os membros arrancados, o sacrifício aparentemente ritualístico, toda atenção se voltara para mim. Eu mal falava sua língua. Eu não acreditava em seus deuses. Eu tinha vindo de outro lugar. Provavelmente fugindo de alguma depravação que eu tinha cometido antes.

Eu me movi desconfortável quando outro homem se levantou e tomou a posição. Dois dos meus acusadores enfiaram os dedos nos meus ombros, como que para impedir que eu golpeasse o homem. Não que eu pudesse lutar. Eles tinham arrancado meus braços para me ensinar uma outra lição: "Você não pode desfazer os seus pecados."

Raiva e vergonha queimavam minhas bochechas enquanto ele descrevia os livros estranhos que ele me vira lendo. Não eram livros normais, diz ele. Provavelmente símbolos demoníacos. Provavelmente os mesmos demônios para os quais eu tinha sacrificado aquelas crianças.

Eu queria gritar, explicar, lhes dizer que eram meramente os símbolos da língua que eu aprendera quando criança. Uma das poucas posses que eu retive da minha casa de infância. Claro, não que eu pudesse falar. Eles tinham arrancado a minha língua para me ensinar uma terceira lição: "A mentira não te salvará dos teus pecados".

Todas essas lições, eles me lembraram, estavam meramente fazendo comigo o que eu tinha feito com seus filhos.

Então, ouvi as portas do tribunal abrir e fechar. Murmúrios estouraram entre a multidão quando um homem entrou. Eu virei e o vi, manchas de sangue em sua camisa. Ele estava com um grupo que tinha saído para ver se eles poderiam encontrar mais das crianças desaparecidas da aldeia. E eles tinham. Uma cabana no meio da floresta, quilômetros adentro.

Havia um homem lá quando eles chegaram. Ele confessou tudo.

Com horror, a multidão se virou e olhou para mim. Depois de uma pausa, o juiz falou, suavemente.

"Inocente."

E então eu chorei. Eu chorei sem braços para enxugar minhas lágrimas, sem pernas para suportar um homem livre, sem língua para expressar meu alívio. Eles não podiam desfazer os seus pecados.


Autor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente. É de graça e ajuda o moderador a criar conteúdo de qualidade para você. Todo mundo sai ganhando.